segunda-feira, agosto 2, 2021
Home Destaque Confinamento ...

Confinamento na pandemia causa estresse e ansiedade também nos pets

Pesquisa revela que animais de estimação também sentem efeitos negativos do isolamento social

Com um ano e meio de duração, a pandemia de covid-19 desencadeou várias mudanças de comportamento na vida dos seres humanos de todo o mundo e, consequentemente, trouxe problemas à saúde física e mental. Mas engana-se quem pensa que apenas os humanos sofrem com essas consequências. Segundo especialistas, os pets também passaram a sentir os efeitos da pandemia.

Para muitas pessoas, os animais de estimação têm sido a principal companhia nesse período de confinamento e até contribuem para a redução da ansiedade de seus tutores. Porém, eles também sentem os efeitos negativos desse novo estilo de vida. Uma pesquisa realizada em abril de 2021 pelo site japonês Inunavi, mostrou que 70% das pessoas que têm pets começaram a passar mais tempo em casa após o início da pandemia e 56% delas notaram uma mudança de comportamento dos seus animais de estimação.

No Brasil, uma pesquisa realizada em agosto de 2020 por um hospital veterinário de São Paulo revelou que 30% dos entrevistados notaram um aumento no peso dos seus pets, por estarem menos ativos na quarentena, e 20% dos donos perceberam algum tipo de ansiedade no comportamento de seus animais.

Segundo a coordenadora da pós-graduação em Nefrologia e Urologia de Animais de Companhia e professora do curso de Medicina Veterinária da Universidade Positivo, Patricia Mosko, os animais também podem desenvolver problemas psicossomáticos, ou seja, tudo o que é absorvido do ambiente tem impacto na saúde – e, na pandemia, esses problemas tornaram-se mais frequentes. “Os principais fatores que podem causar a mudança de comportamento do pet e o desenvolvimento das enfermidades psicossomáticas são a ansiedade e a preocupação dos tutores, pois isso é percebido pelos animais e tem impacto sobre o funcionamento do corpo deles. Além disso, também há uma diminuição da qualidade do tempo de contato – porque, quando estamos juntos deles o tempo inteiro, deixamos de dedicar 100% da atenção e, com isso, de estabelecer uma boa conexão. Isso faz com que os sentimentos ruins prevaleçam, como a ansiedade, por exemplo, e, assim, as enfermidades aparecem”, explica.

A veterinária alerta que os tutores devem ficar atentos para alguns sinais que podem ser sintomas de distúrbios psicossomáticos, como a lambedura excessiva, no caso dos cães, e inflamação urinária, no caso dos gatos, chamada de cistite intersticial felina. “Se o cão parar tudo o que está fazendo para lamber suas patas, é um sinal de ansiedade. Ele está te ouvindo, está prestando atenção no que está acontecendo no ambiente, mas não consegue parar com a lambedura. Alguns cães podem apresentar o pelo da pata manchado por conta disso ou até mesmo feridas e vermelhidão no local. Se o gato começou a fazer xixi fora do lugar correto que lhe foi ensinado, ele está querendo mostrar que tem um problema. Isso mostra que a urina acabou escapando ali e não deu tempo de chegar no local correto. Alguns gatos apresentam até sangue na urina ou miam alto enquanto fazem a micção, como se estivessem gritando de dor”, alerta.

De acordo com a professora, é possível amenizar os efeitos desse estresse para os pets, estabelecendo disciplina no cumprimento dos horários de cada tarefa do dia a dia, sabendo separar as atividades para conseguir concentrar 100% da atenção em cada uma delas. “No confinamento, acabamos fazendo tudo ao mesmo tempo, o tempo todo. Não podemos esquecer que a disciplina deixa nossa vida mais organizada e com menos ansiedade. É preciso definir uma rotina: horário de trabalho, de alimentação, das tarefas domésticas e o de ficar com nossos animais. Usar esse momento para dar 100% de atenção a eles. Quando conseguimos estabelecer essa conexão e esse contato com nossos animais, nosso organismo responde de forma positiva, liberando substâncias químicas benéficas, como serotonina e endorfina, por exemplo, tanto em nosso corpo, quanto no deles. Com isso, a chance de desenvolvimento dessas doenças psicossomáticas fica muito menor. Ou seja, precisamos estabelecer contato de qualidade com os pets e respeitar a individualidade deles para amenizar esses problemas”, esclarece.

Cristiane Guimarãeshttps://naoperdenao.com/
Cristiane Guimarães é Comunicadora Social com habilitação em jornalismo e atua há mais de 20 anos no mercado. Apaixonada pela profissão é colunista social, produtora e assessora de imprensa. O blog é uma junção de tudo que ama e que acha válido de ser compartilhado. Seja bem-vindo a esta página que festeja a sua presença! Entre em Contato: [email protected]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -
  • Android e muito mais

Postagens Populares

Comentários Recentes