quarta-feira, julho 28, 2021
Home Social Power Roots T...

Power Roots Trio DELGRES faz capa da Rolling Stone France

A música no album 4:00 AM, a nova gravação do trio Delgres, baseado em Paris, é corajosa e cheia de energia. É uma marca de blues crioulo construída sobre fios da cultura caribenha africana e francesa, contação de histórias de blues do Mississippi e grooves de Nova Orleans. As letras, cantadas principalmente em crioulo, abordam questões como pobreza, escravidão e as lutas do imigrante em busca de uma vida melhor. É uma combinação poderosa que evoca o espírito do blues para falar, mas também celebrar e curar.
4:00 AM é o seguimento do potente lançamento de estréia do trio em 2018, Mo Jodi (I’ll Die Today), e sua música e temas, são uma reafirmação das origens do grupo. Nos EUA, já alcançou o terceiro lugar nas paradas de álbuns de música mundial do Roots Music Report e conseguiu a capa da Rolling Stone França. diz Danae
“O blues não é música triste”, diz o cantor, compositor e dobro / guitarrista Pascal Danae, fundador e líder do Delgres. “Eles podem estar falando sobre condições terríveis, sobre perdas terríveis, mas o resultado final é esperança.”
“Está relacionado ao nome da banda”, explica Danae, cujos ancestrais eram escravos na ilha caribenha francesa de Guadalupe. O trio tem o nome de Louis Delgrès, um oficial crioulo do exército francês que morreu em Guadalupe em 1802, lutando contra o exército de Napoleão, que havia sido enviado para restabelecer a escravidão no Caribe francês.

Diz Danae: “Aqui está um cara que realmente decidiu dar a vida em vez de voltar para a escravidão. Depois de ter isso em segundo plano, você entende os temas das músicas. Nosso primeiro álbum estava ligado ao que Louis Delgrès fez em sua luta pela liberdade. Agora, neste segundo álbum, é sobre os nossos tempos. ” comenta Danae

Como filho de pais da Guadalupe, Danae nasceu e foi criado em Paris – que já foi o centro do império colonial francês – e sua perspectiva sobre a história colonial e pós-colonial informa sua música e sua mensagem.

“Meu pai veio de Guadalupe para a França continental na década de 1950, e minha mãe em 1962. Muitas pessoas das Índias Ocidentais se mudaram para a França naquela época”, diz ele. “E muitos anos depois, podemos ver a mesma coisa acontecendo com pessoas da África, arriscando suas vidas tentando dar a suas famílias uma chance de uma vida melhor. Este é o pano de fundo do que abordamos neste álbum. Temos que estar lá para aqueles que não podem falar por si próprios. “
4:00 AM traz canções poderosas como “Assez, Assez”, (Enough, Enough) o primeiro single do álbum e um instantâneo da tragédia de imigrantes morrendo no mar enquanto tentavam chegar a um novo lugar. “La Penn” (The Pain) é um grito incomum de “um pobre coitado que se torna uma pessoa terrível só por causa do azar”. “Aleas” (Hazards) fala da angústia da separação, a velha história do imigrante que deixa a família para trás enquanto procura se estabelecer em um novo lugar. “Se mo la” (These words) aborda o racismo com aquelas palavras que “queimam meu coração”, enquanto “Lese mwen ale” (Let me go) e “Libere Mwen, Libere Mwen” (Free Me, Free Me) falam simplesmente e diretamente sobre a escravidão.
Danae tem um talento distinto para olhar para grandes questões globais através da fechadura da experiência pessoal e da história familiar. Sua primeira viagem a Guadalupe, quando já tinha 30 anos, transformou o que poderia ter sido uma preocupação humanitária, mas distante, em uma história pessoal.
“Quando você não cresce no lugar de onde seus pais vêm, ouve suas histórias e tudo soa para você como um conto”, diz Danae. “Aconteceu há muito tempo, você não conhece o lugar e não é a sua história.” Mas durante essa visita, ele recebeu a carta de liberdade da escravidão de sua tataravó, datada de 1841.
“O jornal dizia ‘Louise Danae, 27 anos, e seus quatro filhos’, e meu bisavô era um desses filhos, e tudo, tudo que você tem ouvido durante toda a sua vida de repente se torna real. Provavelmente era o ponto de viragem para o que viria a ser Delgres. “
Danae cresceu ouvindo uma ampla variedade de estilos musicais, desde filho cubano, konpa haitiano e música africana até jazz, The Kinks e James Brown. Ele ganhou seu primeiro violão aos 15, um presente para passar o tempo, e o transformou em uma carreira, primeiro tocando jazz e fusion em clubes de Paris, e depois como músico de estúdio, trabalhando com artistas como Peter Gabriel, Youssou N ‘ Dour, Mayre Andrade, Harry Belafonte e Gilberto Gil. Em 1997, seguindo sua paixão pelo rock baseado no blues britânico, ele se mudou para Londres, onde viveu por oito anos.
Foi enquanto morava em Amsterdã, onde passou três anos antes de voltar para Paris, que encontrou a dobro, uma guitarra ressonadora com um som distinto que completou seu quebra-cabeça musical. “Você tem que deixar ressoar, parar e ouvir, e então começar a ouvir a si mesmo”, diz ele. “Foi como aprender a andar novamente.”
Ao moldar o som distinto de Delgres, Danae baseou-se em suas experiências musicais e acrescentou sua própria visão do som de Nova Orleans. “Isso é o crioulo nele”, diz ele. “New Orleans fazia parte da França e a música que você ouve em New Orleans é muito influenciada pelo Caribe. Meu pai era músico e em Guadalupe eles chamavam a bateria de ‘jazz’. Eles não diriam ‘ ele toca bateria ‘, eles diziam’ Ele toca jazz ‘. “
Delgres apresenta o baterista Baptiste Brondy e, seguindo a tradição de Nova Orleans, em vez de usar um baixo elétrico ou acústico convencional, Danae escolheu ancorar a música com um sousafone, chamando Rafgee, um trompetista treinado no Conservatório de Paris que tocava tuba regularmente em Bandas de dança caribenha.
“Como sociedade, não temos escolha a não ser mudar”, diz Danae. “Do jeito que estão, as coisas não funcionam. Então tentamos seguir em frente. Delgres é tão pequeno para o mundo. Temos uma voz minúscula, mas tentamos ser quem somos. Baptiste não é de Guadalupe. Rafgee não é de Guadalupe. Cada um deles tem uma formação diferente da minha, mas estamos juntos, nos divertindo e tentando fazer com que as pessoas concordem com a simples ideia de que todos podemos viver juntos. Não precisa ser difícil.”
A hora da justiça é agora, como canta Danae em “Assez Assez”:
Para todos os governantes do mundo, ouçam
Ouça o povo chorar, chorar, chorar
Agora você não tem escolha
Mas para ouvir a voz orando, orando, orando
Quem está batendo na minha porta?

É o mundo

Cristiane Guimarãeshttps://naoperdenao.com/
Cristiane Guimarães é Comunicadora Social com habilitação em jornalismo e atua há mais de 20 anos no mercado. Apaixonada pela profissão é colunista social, produtora e assessora de imprensa. O blog é uma junção de tudo que ama e que acha válido de ser compartilhado. Seja bem-vindo a esta página que festeja a sua presença! Entre em Contato: [email protected]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -
  • Android e muito mais

Postagens Populares

Comentários Recentes